Tudo o que Colleen Hoover fala sobre feminismo em “É assim que acaba”

Autores

  • Bianca Oliveira Unifacs - Universidade Salvador

DOI:

https://doi.org/10.56516/revdirfem.v1i2.30

Palavras-chave:

Colleen Hoover, mulher, violência, abuso, relacionamento abusivo, feminismo

Resumo

O intuito dessa análise é ressaltar como o feminismo e suas características estão presentes no livro “É assim que acaba”, e além disso, como personagens tornam-se representativos e inspiração para seu público, sendo em sua maioria mulheres. Fazendo uma referência com a vivência das mulheres na vida real sobre a perspectiva de gênero, relacionamentos e maternidade, analisaremos as abordagens feitas pela autora em sua obra de maior sucesso atualmente.

Ademais, sob a perspectiva do livro, serão abordadas problemáticas que foram trazidas pela autora de maneira oculta, sendo elas diretamente ligadas à violência psicológica, os traumas deixados aos filhos que eventualmente estiveram presentes em episódios de violência em suas casas, e entre outras questões que perpassam pela violência de gênero.

O livro foi usado como ponto de partida para trazer pontos de reflexão sobre os enfrentamentos que nós mulheres estamos sujeitas em nossas vidas. Sobretudo, a questão de como é presenciar esse tipo de violência na infância, que ainda é uma temática pouco acolhida.

Referências

‘O julgamento da sociedade é a pior coisa para uma mulher vítima de violência’: Você está acostumado a ler aqui sobre direitos da mulher. Hoje, peço licença para contar a história da Patrícia. In: Estadão. 2018. Disponível em: https://www.estadao.com.br/emais/nana-soares/o-julgamento-da-sociedade-e-a-pior-coisa-para-uma-mulher-vitima-de-violencia/. Acesso em: 19 dez. 2022.

A impunidade na Violência Doméstica. In: Revista Pesquisa FAPESP. 1999. Disponível em: https://revistapesquisa.fapesp.br/a-impunidade-na-violencia-domestica/. Acesso em: 19 dez. 2022.

BORGES, Lize. Teses Feministas no Direito das Famílias. No prelo, [2022 ou 2023].

Galera, 2018.

HOOVER, Colleen. É assim que acaba. Edição padrão. Rio de Janeiro: Editora

LIMA, Caroline Teresinha. Reflexos da Violência Doméstica Contra a Mulher em seus Filhos: Uma visão sistêmica. 2019. 42. Curso de Graduação em Psicologia, Área do Conhecimento e Humanidades – Universidade de Caxias do Sul, Caxias do Sul, 2019.

Quem é Colleen Hoover, uma das autoras mais vendidas da Bienal - e do Brasil. In: ISTOÉ. 2022. Disponível em: https://istoe.com.br/quem-e-colleen-hoover-uma-das-autoras-mais-vendidas-da-bienal-e-do-brasil/. Acesso em: 21 dez. 2022.

Rumo a um futuro melhor para mulheres e trabalho: vozes de mulheres e homens. In: Organização Internacional do Trabalho/Notícias. 2017. Disponível em: https://www.ilo.org/brasilia/noticias/WCMS_546625/lang--pt/index.htm#:~:text=Rumo%20a%20um%20futuro%20melhor%20para%20mulheres%20e%20trabalho%3A%20vozes%20de%20mulheres%20e%20homens%C2%A0%22%C2%B8. Acesso em: 19 dez 2022.

SANTIAGO, Angélica; BORGES, Lize. Violência Psicológica de Gênero no Direito Civil. 1° Edição. São Paulo: Blimunda, 2022.

SOUZA, Nívia; COSTA, Karine. FATORES QUE LEVAM AS MULHERES A PERMANECEREM EM RELACIONAMENTOS ABUSIVOS: Entendendo subjetividades subjugadas. Faculdade Ciências da Vida, 2019. Disponível em: https://www.faculdadecienciasdavida.com.br/sig/www/openged/ensinoBibliotecaVirtual/000186_624c60ecc874c_048596_5fecf47632e0c_NIVIA_AUGUSTA_COSTA_SOUZA.pdf. Acesso em: 19 dez. 2022.

Violência Contra a Mulher Qual o Impacto aos Filhos das Vítimas? In: Lunetas. 2021. Disponível em: https://lunetas.com.br/violencia-contra-a-mulher-impacto-filhos/ Acesso em: 21 dez. 2022.

Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher. 9° Edição. In: Senado Federal/DATASENADO. 2021. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/institucional/datasenado/publicacaodatasenado?id=violencia-domestica-e-familiar-contra-a-mulher-2021 Acesso em: 19 dez. 2022.

Downloads

Publicado

30.12.2022

Como Citar

OLIVEIRA, B. Tudo o que Colleen Hoover fala sobre feminismo em “É assim que acaba”. Revista Direito e Feminismos, Salvador, BA, v. 1, n. 2, 2022. DOI: 10.56516/revdirfem.v1i2.30. Disponível em: https://revista.ibadfem.com.br/revista/article/view/30. Acesso em: 16 jun. 2024.